Arquivo da Categoria: Amelia Rabello

Amelia Rabello (2011 – a delicadeza que vem desses sons)


Irmã do violonista Raphael Rabello e da cavaquinista Luciana Rabello. Iniciou o seu caminho na música estudando acordeom, seguindo-se do canto.  Cursou a Faculdade de Música e Teatro de Hannover – Alemanha, durante o ano de 1976. No ano de 2006 passou a lecionar aulas de canto na Escola Portátil de Música do Rio de Janeiro (UNI-Rio).

Apareceu em 1972 quando participou do “Festival Universitário”, da TV Tupi, do Rio de Janeiro, no qual interpretou o choro “Paralelo, abraçando Zé Queiroz”, de autoria de Ric Ventura e Tadeu Leal, sendo classificada em 2º lugar, recebendo como prêmio a gravação desta música em uma das faces do disco com as duas primeiras colocadas. O disco contou com a produção de Durval Ferreira e foi lançado pela gravadora CID. Seguiram-se a esse momento várias gravações de jingles e coros em discos de diversos artistas. Depois de uma temporada na Alemanha, retornou ao Brasil em 1980 onde fez várias apresentações.

No ano de 2010 atuou na direção vocal da série de shows “Onomatopeia não é palavrão! Onomatopeia Musical”, apresentada no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, shows nos quais também participou como convidada especial de Pedro Amorim, Marcos Sacramento e Pedro Miranda. Em 2011 lançou, no Teatro Rival BR, o CD “A delicadeza que vem desses sons”, no qual interpretou “Samba para Amelia” (Caetano Veloso), “Seu Ataulfo” (Radamés Gnattali e Paulo César Pinheiro), “Tempo perdido” (Ataulfo Alves), “Santa voz” (Baden Powell e Paulo César Pinheiro), “Velho ninho” (Cristóvão Bastos e Paulo César Pinheiro), “Estigma” (Luciana Rabello e Paulo César Pinheiro), “Gota de mágoa” (Ana Rabello e Paulo César Pinheiro), “Com as mãos vazias” (Pedro Amorim) e “Descuido” (Julião Pinheiro e Paulo César Pinheiro), “Pela noite” (Luís Moura, Afonso Machado e Paulo César Pinheiro), “Tanta despedida” (Moacyr Luz), “Chave da porta” (Luís Moura e Paulo César Pinheiro), “Velhos chorões” (Luciana Rabello e Paulo César Pinheiro), “Alma vazia” (Roque Ferreira),

Dáumload