Arquivo da Categoria: Carlos Dafé

Carlos Dafé (1979 – Malandro Dengoso)

Carlos+Dafé+(1979)+Malandro+Dengoso
Compositor. Instrumentista. Cantor. Nascido no subúrbio de Vila Isabel, no Rio de Janeiro. O pai, José de Sousa, foi funcionário público e tocador de chorinho. A mãe, Conceição Gonçalves, foi poeta e incentivadora da musicalidade dos filhos. Seus irmãos são músicos e compositores: Jorge Badezir (violonista e baixista), Tuninho de Souza (guitarrista e bandolinista), Luiz Carlos (violonista), Paulo César (cantor). O filho, Georgemari Dafé, segue os passos do pai e além de cantar e compor, toca violão, cavaquinho e percussão. A filha Verônica Dafé, estudou canto na Falarte e atuou como cantora e backing vocal em seus shows.

Vindo de família de músicos, aos quatro anos já corrigia alguma nota errada que, por ventura, seu pai ou qualquer dos amigos chorões tivesse cometido. Aos 11 anos já estudava no Conservatório de Música. Aos 14 já tocava acordeon e vibrafone em conjuntos e orquestras. Em 1970, fez turnê com o grupo Fuzi 9, do Corpo de Fuzileiros Naval, por Salvador (Bahia), Porto Rico, Martinica e Curaçau. Multiinstrumentista, toca violão, guitarra, baixo, piano, acordeão e vibrafone.

Sua composição “Um menino, uma mulher”, em parceria com Toninho Lemos, foi canção-tema do filme “Um menino, uma mulher”, estrelado por Jece Valadão. “Bafo quente no salão: som negro na Áfricarioca rolando nas quebradas com Marvin Gaye nas vitrolas, cenário, cidade e selva onde se criou o som do Dafé e de outros cobras black (ou seriam coblas bléque?). Esses malandros espertos, de gargantas ágeis e corações quentes, incendiando os salões, bailões esses neguinhos e negões que se afirmam, com fé em Dafé estão aqui, agora, bailando”.

(Nelson Motta – 1983) “… Por isso eu sou da fé, por isso eu tenho luz, por isso eu sou da fé, da fé que me conduz, por isso eu sou da fé, Dafé e Carlos”. (Trecho da música Dafé e Carlos, composição de Jorge Aragão). “… o Dafé é uma grande expressão da juventude negra brasileira. Um patrimônio da gente que tinha vontade de dançar soul e funk e não tinha lugar para isso… Ele é um cara a quem devo muito, é meu camarada, meu grande educador musical”. (SCHOTT, Ricardo. Na essência do soul). Revista de Domingo, Jornal do Brasil, p.46.).

Em 2010 recebeu do presidente da Câmara Municipal de São Paulo, o vereador Antonio Carlos Rodrigues, o “Título de Cidadão Paulistano”, no Salão Nobre da casa. Neste mesmo ano recebeu do grupo Cultural AfroReggae, do Rio de Janeiro, o “12ª edição do Prêmio Orilaxè” na categoria “Cantor”. O evento ocorreu no Teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro, com apresentação da atriz Fernanda Lima e o ator Johayne Hidelfonso, com narração em off do ator Wagner Moura.

Dáumload