Arquivo da Categoria: Silvério Pessoa

Silvério Pessoa (2004 – Bate o Mancá)

CAPASilvério Leal Pessoa, natural da cidade de Carpina, localizada na Zona da Mata Norte, é músico, cantor, compositor, educador e escritor. Iniciou a vida artística se apresentando em espaços do Grande Recife. Em 1995, formou a banda Cascabulho com outros músicos, no auge do Movimento Mangue, com a qual gravou o CD Fome Dá Dor de Cabeça. Após a saída do grupo, em 2005, seguiu carreira solo, lançando diversos álbuns, alguns inspirados na obra de Jacinto Silva e Jackson do Pandeiro. A música de Silvério edita referências populares com rock, hip-hop, punk e intervenções eletrônicas. Em 2006, ganhou o Prêmio TIM de Melhor Cantor Regional. Já se apresentou em várias cidades do Brasil e da Europa e, em 2008, lançou o livro Nômade, pela editora Bagaço. A publicação é uma versão impressa do blog que o artista mantém, com comentários sobre turnês, viagens, encontros e curiosidades.

Dáumload

Silvério Pessoa (2009 – Ciclos)

cover
Vencedor do Prêmio TIM 2006 como Melhor Cantor na Categoria Regional, Silvério Pessoa nasceu em Carpina, zona da mata norte de Pernambuco. Sua formação musical foi a programação das rádios do interior, sua mãe que foi professora de acordeon e sua Vó, uma freqüentadora assídua dos programas de auditório de Recife nas décadas de 40 e 50.A música de Silvério é uma síntese das canções da Zona da Mata, Agreste e Sertão, e a sonoridade e atitude dos jovens dos Centros Urbanos, envolvidos com o Rock, o Hip-Hop, o Punk, e os novos sons que chegam e são absorvidos pelas tradições. É um trabalho que oferece hereditariedade ao gênero tradicional, não perdendo a nave da história.Dáumload

Silvério Pessoa (2011 – No Grau)

Natural de Carpina, Pernambuco, Silvério Pessoa dá tratamento contemporâneo a referências do cancioneiro popular da Zona da Mata, Agreste e Sertão do estado, com o cuidado de não descaracterizá-las. Rock, hip-hop, punk e intervenções eletrônicas são algumas sonoridades absorvidas pelas tradições e refletidas num trabalho que sai do interior de Pernambuco e conquista ouvintes do mundo todo. Silvério tem três discos e um DVD lançados, todos muito bem recebidos por público e crítica no Brasil e no exterior. Bate o Mancá – O Povo dos Canaviais (2001), com base nas músicas do cantador de coco Jacinto Silva, foi o primeiro trabalho da carreira solo. O álbum ganhou citações e artigos em publicações especializadas da Europa, recebeu quatro estrelas da Revista Le Monde de la Musique e foi selecionado como um dos melhores lançamentos do ano pela Revista Vibrations, ambas da França. Já Batidas Urbanas – Projeto Micróbio do Frevo (2003), revisão da obra carnavalesca de Jackson do Pandeiro, foi considerado uma renovação do frevo e recebeu nota máxima da Folha de S.Paulo, Revista VEJA e Rolling Stones Argentina. O terceiro CD, Cabeça Elétrica, Coração Acústico (2005), é um disco autoral que conta com participação de Dominguinhos, Lenine, Alceu Valença, Siba, Lula Queiroga, Zé Vicente da Paraíba, Ivanildo Vila Nova e tantos outros músicos e amigos. Nesse ano, Silvério Pessoa foi selecionado pelo Projeto Pixinguinha e participou da Caravana do Sul e Sudeste, se apresentando em oito cidades. Cabeça Elétrica, Coração Acústico rendeu a Silvério o Premio TIM de Melhor Cantor na categoria Regional, em 2006. O show baseado nesse disco originou o primeiro DVD do artista, lançado em 2007. Desde 2003, quando deu início a uma série de turnês com o trabalho solo, Silvério mantém uma agenda anual com temporadas no exterior, tendo como base a França. Nesses anos, tem participado de importantes Festivais como Sfinks Festival e Esperanzah (Bélgica), Roskilde (Dinamarca), Paleo (Suíça), Festival de Sines (Portugal), dentre tantos, expandindo também para outros continentes, como a participação em um dos maiores eventos musicais, o Rainforest Festival, na Ilha de Borneo (Malásia), e a realização de dois shows em Tóquio (Japão). Com a banda Cascabulho, no início da carreira, Silvério fez turnês pelo Canadá, E.U.A. e Alemanha. Participou do Free Jazz, de três edições do Abril pro Rock e recebeu, como compositor, o Prêmio Sharp de Música em 1999, categoria Regional. OUTROS PROJETOS – Os encontros de Silvério Pessoa com as bandas francesas Occitans (que têm uma proposta de trabalho envolvendo a modernidade e as tradições locais), durantes as turnês internacionais, geraram o CD Collectiu. São 12 faixas compostas ou arranjadas em parceria, em uma conexão que ressaltou a diminuição das distâncias através dos caminhos virtuais. Silvério Pessoa também lançou o livro “Nômade”, em 2008, pela editora Bagaço. É uma versão impressa do blog que o artista mantém, com comentários sobre turnês, viagens, encontros e curiosidades.

Dáumload