Arquivo de etiquetas: rio de janeiro

Paulo Perdigão (2017 – Sonoras Batucadas)

Paulo Perdigão. Compositor e interprete de suas composições, ativista do samba. Paulo Perdigão nasceu no Rio de Janeiro em 03 de julho de 1953. Tem sua família raízes na Escola de Samba Unidos de São Carlos atual Estácio de Sá.
Com 08 anos de idade a família foi morar na Baixada Fluminense, onde tomou contato mais direto com o samba, em Mesquita antigo distrito de Nova Iguaçu. Na Escola de Samba Independente de Mesquita, quadra de chão batido no tempo em que se desfilava na antiga Praça 11. Em 1973 participou do festival de música FEMUB, organizado pelo Compositor, (Adelino Português, autor de vários sambas interpretado por Bezerra da Silva). Sua música não obteve classificação, para sua surpresa tornou se o hino na greve dos operários da Fiat em Xerém em 1979. Em 1974 é convidado a fazer parte da ala de compositores do G.R.B.C Unidos de Edson Passos, onde conviveu com grandes bambas da Baixada Fluminense, Romildo Bastos, Cabana, Bezerra da Silva, Adelzonilton, Moacir Bombeiro, Russo da Maloca, Adelson, Edson Show, Pastel, Aparecida, Gesse Formigão, Valério Mentirinha, Tieres Canedo, e tantos outros
Participou de outras escolas de samba, Unidos de Nilópolis, Leão de Nova Iguaçu, em 1989 assumiu a presidência da Unidos de Edson Passos, no grupo V dos blocos de enredo e leva a agremiação ao terceiro lugar.
Em 1992 em parceria com Tieres Canedo (Carnaval) e Vava da Ponte ganha à disputa de samba enredo, com tema “Um grito negro”. Participou do Movimento dos Compositores da Baixada Fluminense. Homenageado no CD de Bezerra da Silva. “Contra o verdadeiro canalha” na música Q.G do Samba
Em 1993 mudou-se para o Recife, e somente em 2000 volta a atuar no meio do samba com a formação do grupo Sambohêmios, grava um Demo com 08 sambas de sua autoria, participa de vários palcos carnaval Multicultural da cidade do Recife. Idealizador e um dos fundadores da Mesa de Samba Autoral. Autor do samba “No Capibaribe também tem maré”. Gravado pelo sambista pernambucano Belo X. Uma frase define Paulo Perdigão “Samba é coletividade sem essa de individualidade”.

Dáumload

Fernando Pellon (2016 – Moribundas Vontades)

Com um estilo peculiar de compor, Fernando Pellon provoca sentimentos em quem ouve suas músicas.

“Moribundas vontades” é o terceiro CD de Fernando Pellon, que segue construindo um raro acervo musical. O primeiro foi “Cadáver pega fogo durante o velório” (1983), o segundo “Aço frio de um punhal” (2010). De acordo com o cantor e compositor, o trabalho atual é um retorno ao projeto que deu início à sua carreira musical, com o objetivo de alcançar o resultado a que ele se propunha: a evolução estética do seu trabalho.

Quando lhe perguntam qual dos seus Discos ele considera o melhor de suas produções, ele diz que “os três discos se complementam como parte de um percurso estético em evolução”. O Disco reúne 12 composições, oito delas com letras e melodias do próprio Fernando Pellon: “Moribundas vontades”, “Na sórdida mesa de um botequim”, “Cheirando a formol”, “Samba de São Thiago (Thiago, 5 – 1,6)”, “Falsa cleptomania”, “Noites desnúpcias”, “Loucos varridos ou Torquato e Walter passeiam na rua do Aldir” e “De forma insuspeita”.

Dáumload

Ricco Duarte (2016 – Ricco #latinoamericano)

Ricco Duarte é jornalista, cantor e compositor. Nasceu em Salvador na Bahia e é radicado no Rio de janeiro desde os anos oitenta. Em 1995, lançou o seu primeiro CD autoral, “Tudo é música” produzido pelo guitarrista Luiz Brasil. Dois anos depois, veio o disco “Menino buliçoso”, também autoral e a participação na coletânea “Simplesmente bossa”, produzido por Ugo Marotta para o mercado italiano.
 

Seu mais recente trabalho – RICCO #latinoamericano – distribuído pela Tratore, é produzido por Roberto Alemão Marques (mesmo produtor de “Mercosul”, do guitarrista argentino Victor Biglione, indicado ao Grammy latino de música instrumental) e tem como convidados especiais, o próprio Victor Biglione e Marcos Ariel. O CD traz doze músicas inéditas, todas de autoria de Ricco Duarte, que a partir do samba, passeia pelos ritmos latino e americano como o bolero, o tango e o blues.

Dáumload

Mahmundi (2016 – Mahmundi)

A cantora e multi-instrumentista Mahmundi, um dos mais interessantes nomes da nova música pop brasileira, lança seu disco de estreia homônimo. Produzido por ela mesma e quase todo gravado em seu home studio, no Rio, o disco traz dez calorosas faixas; cinco já conhecidas, porém em novas roupagens, e outras cinco inéditas.

Mahmundi trabalhou como técnica de som e roadie no Circo Voador e já lançou os EPs Efeito das Cores (2012) e Setembro (2013). Em 2013 ganhou o Prêmio Multishow de Música Brasileira na categoria Novo Hit, por “Calor do Amor”. Em 2014 Mahmundi foi premiada novamente, desta vez na categoria Nova Canção, por “Sentimento”, faixa que encerra o disco de estreia.

Dáumload

João Nogueira Discografia (1972 – 1999)

Filho do advogado e músico João Batista Nogueira e irmão da também compositora, Gisa Nogueira, cedo tomou contato com o mundo musical. Logo aprendeu a tocar violão e a compor em parceria com a irmã.

Com apenas 17 anos, já era diretor de um bloco carnavalesco no bairro carioca do Méier. Nesta época, a gravadora Copacabana gravou sua composição Espera, ó nega, que João cantou acompanhado pelo conjunto depois chamado Nosso Samba. Em 1970, Elizeth Cardoso ouviu a gravação de sua composição Corrente de aço e resolveu regravá-la.

Em 1971, teve obras suas gravadas por Clara Nunes (Meu lema) e Eliana Pittman (Das duzentas pra lá). Como esta música defendia a ampliação do mar territorial do Brasil para 200 milhas, medida adotada pelo regime militar, João sofreu patrulha ideológica.

Ainda em 1971, João passou a integrar a ala de compositores da Portela, sua escola de coração, onde venceu um concurso interno com o samba Sonho de Bamba. Mais tarde fez parte do grupo dissidente que saíu da Portela para fundar a Tradição. Fundou também o bloco “Clube do Samba”, que ajudou a revitalizar o carnaval de rua carioca.

Em mais de quatro décadas de atividade, João gravou 18 discos. Teve vários parceiros, mas o mais importante foi certamente Paulo César Pinheiro.

Quando morreu, vitimado por um enfarte, em 2000, João organizava um espetáculo numa grande casa noturna de São Paulo, e que resultaria no lançamento de uma gravação ao vivo.

Com sua morte, vários colegas se juntaram para apresentar, nas mesmas datas e no mesmo local, um espetáculo em sua homenagem. Participaram Zeca Pagodinho, Beth Carvalho, Dona Ivone Lara, Arlindo Cruz e Sombrinha, Emílio Santiago, Carlinhos Vergueiro e a família de João: o sobrinho Didu, o filho Diogo e a irmã e parceira Gisa. O show foi gravado para o disco João Nogueira, Através do Espelho.

Dáumload (Torrent Magnet)

PS. Após baixar todo o conteúdo, não apague o torrent ou mude as músicas de lugar, semeie para outras pessoas por no mínimo 5 dias. O DNA Agradece!

Jorge Ben (Discografia)

capa discog por dj 440

A música de Jorge Ben tem uma importância singular para a música brasileira, por incorporar elementos novos no suingue e na maneira de tocar violão, com características do rock, soul e funk norte-americanos. Além disso, influência árabes eafricanas, oriundas de sua mãe, nascida na Etiópia.

Influenciou o sambalanço e foi regravado e homenageado por inúmeros expoentes das novas gerações da música brasileira, como Mundo Livre S/A, Racionais MC’s e Belô Velloso.

Carioca de Madureira, mas criado no Rio Comprido, Jorge Ben queria ser jogador de futebol e chegou a integrar o time infanto-juvenil do Flamengo. Mas acabou seguindo o caminho da música, presente em sua vida desde criança. Ganhou seu primeiro pandeiro aos treze anos de idade e, dois anos depois, já cantava no coro de igreja. Também participava como tocador de pandeiro em blocos de carnaval. Aos dezoito, ganhou um violão de sua mãe e começou a se apresentar em festas e boates, tocando bossa nova e rock and roll. É conhecido como Babulina, por conta da pronúncia do rockabilly Bop-A-Lena de Ronnie Self (apelido que Tim Maia tinha pelo mesmo motivo).

Seu ritmo híbrido lhe trouxe alguns problemas no início, quando a música brasileira estava dividida entre a Jovem Guarda e o samba tradicional, de letras engajadas. Ao passar a ter interesse pela música, o artista vivenciou uma época na qual a bossa nova predominava no mundo. A exemplo da maioria dos músicos de então, ele foi inicialmente influenciado por João Gilberto, mas desde o início foi bastante inovador.

Dáumload (Torrent Magnet)

B Negão (2012 – Sintoniza Lá)

digipack CD bnegao.indd

Composto por 11 faixas, “Sintoniza Lá” segue o conceito de MÚSICA NEGRA UNIVERSAL, defendido a anos pelo grupo: uma explosiva alquimia sonora, onde ritmos jamaicanos, africanos e brasileiros se fundem ao rap, ao funk70 e ao hardcore de forma vigorosa, surpreendente e precisa.
O disco, lançado em junho de 2012, foi produzido pelo próprio BNegão e teve a maioria de suas faixas compostas e arranjadas em parceria com os outros integrantes da banda – Pedro Selector, Fabio Kalunga, Fabiano Moreno e Robson Riva – o que garantiu uma perceptível unidade ao trabalho.
“Sintoniza Lá” conta com as participações especiais da cantora Céu e dos músicos: Bidu Cordeiro, Sandro Lustosa, Bruno Buarque, Gabriel Muzak e Nobru Pederneiras.

Dáumload